segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Conexão Conservadora #5: Coronel Paes de Lira

 

Sobre: Esta semana, Conexão Conservadora traz uma entrevista com Coronel da Polícia Militar, porta-voz do Pela Legítima Defesa e ex-deputado federal, Jairo Paes de Lira, que falou com o Conexão sobre desarmamento, segurança, confiabilidade das urnas eletrônicas, intervencionismo e Foro de S. Paulo.
Duração: 1h e 14 min.

Ps: Um pequeno problema de gravação ficou aos 7 minutos para que a fala do Coronel não perdesse o sentido.



Três matérias recomendadas pelo Coronel Paes de Lira aqui. Uma delas está abaixo, não perca as outras duas.

Assunto: urnas eletrônicas.

____________________________________________________________

Urnas Biométricas - a farsa continua
27 de junho de 2010


Por Amilcar Brunazo Filho (*)

Desde 2005, o administrador eleitoral brasileiro, que curiosamente responde pelo nome de tribunal (TSE), vem implementando seu projeto de construir um cadastro com dados biométricos dos cidadãos brasileiros. O argumento apresentado ao público desde então é que iria se acabar com o "último reduto da fraude eleitoral".

Porém, nunca se explicou direito qual seriam tais fraudes e qual sua incidência. Também nunca se apresentou um estudo de custos completos do projeto. Enfim, verdadeira a relação custo-benefício do projeto de urnas biométricas nunca foi revelada à sociedade brasileira.

No dia 23 de junho em Brasília, passado ocorreu um teste público de eleição simulada com as urnas biométricas que serão usadas na eleição de outubro por mais de um milhão de eleitores que já tiveram seus dados biométricos coletados pelo administrador eleitoral.

Apenas dois partidos (PDT-nacional e PSB-Amapá) enviaram representantes para acompanhar o teste como observadores autorizados, que puderam constatar que:

1 - Nenhuma organização da sociedade civil ou entidade de classe como a OAB, o CONFEA, a SBC (Sociedade Brasileira de Computação), está acompanhando o desenrolar desde processo de formação de um cadastro biométrico dos brasileiros.

2- A FRAUDE DO MESÁRIO - quando o mesário desonesto insere votos nas urnas eletrônicas no lugar de eleitores ausentes -, cuja incidência tem crescido a cada eleição, CONTINUA PERFEITAMENTE POSSÍVEL mesmo com as urnas biométricas.

Uma resolução do TSE prevê que o mesário tenha sempre disponível uma senha para liberação do voto em urnas biométricas. Com esta senha o mesário desonesto pode liberar a urnas em nome de eleitores ausentes e inserir votos no lugar deles.

3- Também a FRAUDE DE COMPRA DE VOTOS não é resolvida pelas urnas biométricas. O "comprador de voto", que antes exigia o título de eleitor do "vendedor" para colocar votos em seu lugar, passou simplesmente a exigir uma foto do voto na tela da urna gravada em telefone celular.

4- O TSE já possui 25 mil urnas biométricas, compradas em 2008, mas comprou mais 160 mil em 2010 embora só vá utilizar em torno de 3 mil delas nas eleição vindouras!

5 - O TSE está capturando os seguintes dados biométricos dos eleitores: impressão digital rolada dos 10 dedos e foto colorida em alta-definição para reconhecimento automatizado. Estes dados estão sendo obtidos em padrão idêntico e compatível aos do FBI e estão sendo mantidos em arquivos no TSE.

Sãos dados em alta qualidade, muito além do necessário, com equipamentos e software muito mais caros que o preciso. Para a montagem do cadastro biométrico, o TSE exigiu, na licitação, um software de marca específica (SAGEN), homologado pelo FBI americano.

6- A biblioteca de funções biométricas (software básico incluído nas urnas) é software livre - disponível na Internet - desenvolvido pelo National Institute of Standards and Technology (NIST ) para o Federal Bureau of Investigation (FBI) e o Departamento de Segurança Interna (DHS), criado exclusivamente por funcionários do Governo dos Estados Unidos, para especificamente atender as exigências de duas leis de exceção decretadas após os ataques terroristas de 11 setembro de 2001: o E.U.A. Patriot Act (PL 107-56) modificado e ampliado pelo Enhanced Border Security e Visa Entry Reform Act 2 (PL 107-173).

Sobre o software biométrico usado pelo TSE, consta a seguinte declaração:http://www.nist.gov/itl/iad/ig/nbis.cfm
"NIST Biometric Image Software

About - The NIST Biometric Image Software (NBIS) distribution is developed by the National Institute of Standards and Technology (NIST) for the Federal Bureau of Investigation (FBI) and Department of Homeland
Security (DHS).

License - This software was developed at the National Institute of Standards and Technology (NIST) by employees of the Federal Government in the course of their official duties"

7- No processo eleitoral em curso, o administrador eleitoral NÃO PRECISA E NÃO USA TODOS ESTES DADOS BIOMÉTRICOS que está recolhendo.

A foto NÃO ESTÁ SENDO IMPRESSA nos novos Títulos Eleitorais dos eleitores recadastrados e, por isto, a nova Lei 12.034 de 2009 tornou obrigatório a apresentação de um outro documento com foto pelo eleitor ao votar. Para identificação do eleitor na hora de votar o TSE está usando apenas: a impressão digital simples de 4 dedos e uma foto em preto-e-branco, 2x2, em baixa definição impressa na folha de votação.

8- O TSE não tem autorização legal para coletar, manter e administrar este tipo de dados pessoais biométricos do cidadão. A única lei que toca neste assunto é a Lei 12.034, de 2009, cujo § 5º do Art. 5º prevê que o equipamento de identificação biométrica do eleitor NÃO ESTEJA CONECTADO com as urnas eletrônicas.

Desenvolvendo seu projeto desde 2005 e tendo iniciado a coleta dos dados biométricos em 2008, o TSE não está atendendo a esta lei sob o argumento que só valerá a partir de 2014, e continua mantendo conectados o equipamento de identificação do eleitor à urna eletrônica (urna biométrica).

Em resumo, temos que:

a) as urnas biométricas não resolvem as fraudes eleitorais mais incidentes relativas à identificação do eleitor.

b) os dados biométricos dos brasileiros estão sendo colhidos em padrão explicitamente intercambiáveis com o FBI e adaptados às exigências das leis de exceção norte-americanas. O software de biometria utilizado teve o seu desenvolvimento projetado e custeado pelo FBI.

c) o TSE não tem necessidade e não está utilizando todos os dados biométricos que está coletando e mantendo em arquivo.

d) está sendo comprado 50 vezes mais equipamentos que o necessário.

e) o TSE não tem por função, nem tem autorização legal, para coleta e arquivamento de dados biométricos de cidadãos.

f) o custo total deste processo todo nunca foi revelado.

Fica evidente que há um outro objetivo oculto para estas "urnas biométricas", por trás de alegado fim das fraudes, mas a sociedade organizada não está atenta ao que já está ocorrendo às suas barbas.

Saudações,
Eng. Amilcar Brunazo Filho
membro do Comitê Multidisciplinar Independente - CMind

O TSE pode fazer mais.

Além da APURAÇÃO RÁPIDA DOS VOTOS, que já nos oferece, deveria propiciar uma APURAÇÃO CONFERÍVEL PELA SOCIEDADE CIVIL
Conheça o Relatório do CMind

Reações:

3 comentários:

Oi, queridos,

Ainda não ouvi a entrevista do coronel Paes de Lira (farei assim que acabar de escrever esta nota), porque preferi ler antes a matéria indicada por ele.
Me chamou a atenção, de cara, a foto com uma pessoa imprimindo a digital do polegar, daí porque resolvi me manifestar.
Este tipo de votação é a MESMA utilizada na Venezuela, onde as fraudes são mais do que comprovadas há mais de uma década! Lá as máquinas receberam o nome de "capta huellas" que significa, literalmente, "capta digitais", porque o objetivo é identificar o votante com o voto que ele escolheu. Assim, o voto deixou de ser secreto e foi através disso que Chávez perseguiu (e continua perseguindo) quem se opõe a ele.
Qualquer semelhança, NÃO é coincidência!
Grande abraço!
MG

Graça, mais uma vez você nos ajuda a entender o que está acontecendo "nêsti paíz".

Verá na entrevista que o Coronel demonstra entendimento do "problema Venezuela", ao menos no que tange às armas que entram ou poderiam entrar no nosso país caso a coisa toda descambe para um aprofundamento daquelas três coisinhas que a esquerdopatia adora, as únicas "obras" em todo o seu currículo: miséria, desgraça e destruição.

Sugerimos ainda, Graça, as outras duas matérias que o Coronel Paes de Lira nos indica. Foram publicadas no União Conservadora Nacional em http://uniaoconservadora.blogspot.com/2011/09/tres-artigos-sugeridos-pelo-coronel.html.

Grande abraço, muitíssimo obrigado.

Fique com Deus nossa professora, irmã e amiga.

União Conservadora Nacional

http://www.peticoesonline.com/peticao/representacao-criminal-contra-juizes-que-autorizam-aborto/371

VAMOS ASSINAR URGENTE, AJUDANDO O PADRE Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz PRECURSOR do movimento Pró-vida de Anápolis - GO Os juízes brasileiros assassinos estão dando sentença para se fazer aborto em crianças deficientes e com algum defeito físico. Vamos dizer FORA JUÍZES ASSASSINOS TRAIDORES DA NAÇÃO. !!!! LILIAN